domingo, 14 abril, 2024
spot_img
InícioGeralTrabalhadores por aplicativo preferem autonomia e rejeitam CLT

Trabalhadores por aplicativo preferem autonomia e rejeitam CLT

Pesquisa encomendada pela Uber e iFood mostra que motoristas e entregadores preferem a flexibilidade de horário ao vínculo formal

A maioria dos motoristas e entregadores por aplicativo, 75%, prefere a autonomia em vez de ter um vínculo tradicional com as normas previstas na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) mostra a pesquisa Futuro do trabalho por aplicativo, feita pelo Datafolha e encomendada por Uber e iFood. O levantamento entrevistou 1.800 motoristas e 1.000 entregadores por aplicativo, sendo 94% homens e 4% mulheres.
Nove a cada 10 dos ouvidos preferem o modelo de trabalho por aplicativo por garantir a autonomia e liberdade de decidir o horário e poder recusar pedidos de viagens e entregas, além de poderem utilizar mais de um aplicativo. Além disso, 83% dos entregadores e 74% dos motoristas sinalizaram que desejam continuar a trabalhar com os aplicativos de mobilidade e entrega mesmo sem a regularização do serviço com vínculos de trabalho prevista na CLT.
A pesquisa também mostrou que 84% dos entrevistados são chefes de família, e tem em média três pessoas dependendo do salário. Além disso, 51% dos trabalhadores têm o aplicativo como a única renda e 49% usam como complemento.
De acordo com os dados, seis a cada 10 profissionais fazem contribuições ao INSS ou possuem previdência privada. 34% dos entregadores e 26% dos motoristas fazem contribuições ao INSS e estão cobertos pela previdência social como empregado de uma empresa privada ou do setor público. Enquanto isso, 26% dos motoristas e 24% dos entregadores fazem contribuição ao INSS e estão cobertos pela previdência social por conta própria.
10% dos motoristas e entregadores não fazem contribuição ao INSS e não estão cobertos pela previdência social, mas tem um plano de previdência privada. Mas a maior parte dos motoristas, 37% e 32% dos entregadores não fazem contribuição ao INSS e não estão cobertos pela previdência social e não têm um plano de previdência privada. Entre os motivos de não estarem inscritos na previdência social, a principal razão é o valor da mensalidade, burocracia e falta de conhecimento sobre o assunto.
Entretanto, sete a cada dez tem interesse em contribuir caso a plataforma recolhesse automaticamente, sendo 69% entre os motoristas e 63% entre os entregadores.

Anselmo Brombal
Anselmo Brombalhttps://jornaldacidade.digital
Anselmo Brombal é jornalista do Jornal da Cidade
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- publididade -spot_img

POPULARES