domingo, 26 maio, 2024
spot_img
InícioJundiaíProjeto de mobilidade alcança crianças com deficiências motoras graves

Projeto de mobilidade alcança crianças com deficiências motoras graves

Com foco no desenvolvimento e na qualidade de vida de crianças com deficiências motoras graves e suas famílias, o Mobizika apresentou os três primeiros carrinhos elétricos adaptados especificamente para as crianças. Projeto financiado pelo Ministério Público do Trabalho – Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região Campinas – é uma parceria entre a Faculdade de Medicina de Jundiaí, Hospital Universitário, Unianchieta, Amarati e Prefeitura de Jundiaí, a partir da Rede Jundiaí de Cooperação, ligada à Unidade de Gestão de Governo e Finanças.
“Jundiaí é a Cidade das Crianças e investir em tecnologia que proporcione qualidade de vida para aquelas que possuem deficiências e suas famílias faz parte das metas de gestão. Os carrinhos trarão às famílias de crianças com deficiências motoras graves, desencadeadas pelo Zika ou por outras causas, qualidade de vida, mobilidade e impactarão no desenvolvimento motor dessas crianças. São investimentos que mudam a realidade da sociedade”, comenta o prefeito Luiz Fernando Machado.
O projeto inclui 10 carrinhos elétricos, para crianças entre 1 a 6 anos de idade, com deficiências motoras de grau 4 ou 5, incluindo aquelas que não têm mobilidade independente e dependem constantemente do colo de seus familiares. Nesta primeira entrega, três carrinhos montados especificamente para a realidade de cada criança usuária serão entregues.
“Ao iniciarmos o Projeto Zika, pensávamos que três anos seriam suficientes para acompanhar o desenvolvimento das crianças expostas ou infectadas. No entanto, a realidade tem se mostrado desafiadora à medida que essas crianças crescem. Além dos problemas endócrinos como obesidade, puberdade precoce e questões relacionadas à tireoide, enfrentamos desafios em áreas como aprendizado, visão, audição, habilidades motoras e autismo. É evidente que essas crianças demandam cuidados contínuos. O Projeto Mobizika surge como resposta a essa nova fase de acompanhamento das crianças”, reforça o médico e coordenador do projeto, Saulo Passos.
Essas crianças passam por uma avaliação minuciosa de médicos, fisioterapeutas, engenheiros e enfermeiros. Após essa análise, cada carrinho é adaptado de forma personalizada para atender às necessidades individuais de cada criança.
“Promover o desenvolvimento cognitivo e motor é o objetivo principal da entrega de três carrinhos motorizados para crianças com dificuldades motoras. Este projeto visa melhorar significativamente a qualidade de vida das crianças afetadas pela Síndrome Congênita do Zika Vírus, bem como aquelas com deficiências motoras graves que requerem auxílio para mobilidade”, acrescenta Saulo Passos, reforçando a importância da parceria entre as instituições que aderiram ao projeto.
“O projeto é sensacional. Trabalha a socialização com a mobilidade, de maneira lúdica, facilita e incentiva a cognição. É um complemento que soma, em muito, ao trabalho realizado pela Amarati e outras instituições que também atuam com pessoas com lesões neurológicas. São equipamentos individualizados, adaptados conforme a necessidade de cada um e que atenderá outras crianças com a tecnologia que está se desenvolvendo em Jundiaí”, comenta o presidente da Amarati, Cássio Cubero.
Para que as adaptações pudessem ser realizadas de forma a promover o desenvolvimento motor e cognitivo além de proporcionar qualidade de vida para as famílias, a parceria com engenheiros mecânicos e eletricistas – além de fisioterapeutas, psicólogos, enfermeiros – foi fundamental. “Nessa primeira etapa, focamos em realizar todas as medições das crianças, customização de cada carrinho 100% alinhados com as medidas dessas e suas limitações motoras, além de instalação dos equipamentos de segurança (cinto de três pontos e santantônio). Temos uma visão clara sobre o impacto desse projeto na vida dessas crianças”, comenta o Diretor de Pós-graduação no Centro Universitário Padre Anchieta, Filipe Baptista Pires, um dos coordenadores pela Unianchieta, da parceria no projeto.
Heitor Lucyus Oliveira Campos: nasceu em 2 de Março de 2021, no Hospital Universitário de Jundiaí apresentando a Síndrome Cornélia de Lange, Microcefalia, Disfagia e Cardiopatia. Atualmente realiza acompanhamento com fonoaudiologia, nutrologia, neurologista, pneumologista, terapeuta ocupacional, fisioterapia e nutricionista, além de enfermagem 24 horas e equipe multidisciplinar HomeCare. Mora com o pai Jonatas, a mãe Telma e os irmãozinhos Felipe e Maria Clara. É modelo e tem uma página de criador de conteúdo digital @mundo_do_heitorlucyus.
Arthur Gael Silva Barbosa de Souza: nasceu em 1º de Março de 2019 no Hospital Universitário de Jundiaí, tem diagnóstico de Paralisia Cerebral, Epilepsia e Déficit Auditivo. Realiza acompanhamento pela Amarati, fisioterapia motora, fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, psicologia, fisioterapia respiratória e pela Clínica Pediatherapies e o Ambulatório de Pediatria do Projeto Zika Vírus. Mora com a mãe Giovana e a irmãzinha Nicoly em Jundiaí. Atualmente o Arthur conseguiu realizar a tão aguardada Gastrostomia para adequar o ganho de peso.
Nicoly Pavanetti de Jesus Casemiro nasceu em 18 de Julho de 2018 no Hospital Universitário de Jundiaí. Mora com a mãe Luciana, o pai Clodenir e com a irmã Natani em Jundiaí. Realiza acompanhamento no ambulatório de pediatria do Projeto Zika Vírus, fonoaudiologia, musicoterapia e fisioterapia pela Apae, Unip e Unianchieta.

Anselmo Brombal
Anselmo Brombalhttps://jornaldacidade.digital
Anselmo Brombal é jornalista do Jornal da Cidade
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- publididade -spot_img

POPULARES